Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Fantasia

PARECE

 

 

parece

mas não tem aparência

não tem forma

nem condiciona sua presença

a uma série previsível

mas que informa seu formato

ao núcleo nela contido     

uma réplica duplicada

que se reproduz nesse cenário

transformada em norma

para ser cumprida

para caber em sua medida

sem forçar a barra

sem traçar a estrada

que levará ao delírio

parece um susto no ar

um musgo a vagar

pela pedra imobilizada

tentando nela se propagar

como ondas do mar

NESGA DE AZUL

NESGA AZUL

 

Olhando a falésia escarpada,

Que plúmbea, me abisma o pensamento,

Sinto a minha alma encarcerada,

Ávida de seguir os quatro ventos.

 

Só uma nesga azul é descoberta,

Por onde entra o sol que m’ encandeia,

Nesta paisagem sombria e deserta,

A única razão que me enleia.

 

Mas, penso que apesar da mortalha,

LAVADEIRA

LAVADEIRA

 

Oh! Lavadeira que lavas,

Nas frescas águas do rio,

Amansas as águas bravas,

Quer faça calor ou frio.

 

Nem a frescura das águas,

Apagam o teu fulgor,

Só tu lavas minhas mágoas,

Quando perdes o pudor.

 

Lavadeira que te lavas

E eu tanto m’ inebrio,

PÂNTANO

O pântano entre as florestas
É tão triste ;
Se figura ,num instante ,
Em verde mostro berrante,

Destrói
Peixes ,plantas ofegantes ,
Nadar é impossível ,
Navegar é importante
Sobre as águas insípidas ,
impotentes .

O pântano entre as florestas
É tão feroz!
Tira vida
Tira paz .

É sombrio e terrível
Esse monstro ,
Tão perto do verde das matas ,
Tão próximo do mar ,

Pages