Últimos

Autor Título Género

O FILHO MORTO

 
17/11/2012 - 23:36Soares de Passos
PoemaLeituras: 982Com: 0

_Resposta a huma Carta, que em boa Poezia citava o A. por huns Versos, que tinha promettido_.

A tua polida Carta, Que honrou hum Poeta razo,
17/11/2012 - 23:28Nicolau Tolenti...
PoemaLeituras: 898Com: 0

*Imprecação*

      Para que te amava eu? Corpo d'espuma
17/11/2012 - 23:25Joaquim de Melo...
PoemaLeituras: 679Com: 0

O Monge Maldito

Os devotos painéis dos antigos conventos,
17/11/2012 - 23:00Baudelaire
PoemaLeituras: 1,068Com: 0

O público é muitíssimo tolerante...

O público é muitíssimo tolerante. Ele perdoa tudo, menos o génio.
17/11/2012 - 02:03Oscar Wilde
PoemaLeituras: 875Com: 0

Ela foi encontrada!

Ela foi encontrada! Quem? A eternidade. É o mar misturado
17/11/2012 - 02:01Rimbaud
PoemaLeituras: 805Com: 0

Filtro

Meu Amor, não é nada: - Sons marinhos Numa concha vazia, choro errante...
17/11/2012 - 01:51Florbela Espanca
PoemaLeituras: 895Com: 0

Vejo que nem um Breve Engano Posso Ter

Quando de minhas mágoas a comprida Maginação os olhos me adormece,
17/11/2012 - 01:37Luís de Camões
PoemaLeituras: 876Com: 0

Em Amor não há Senão Enganos

Suspiros inflamados que cantais A tristeza com que eu vivi tão cedo;
17/11/2012 - 01:35Luís de Camões
PoemaLeituras: 813Com: 0

Gratidão

A minha gratidão te dá meus versos: Meus versos, da lisonja não tocados,
17/11/2012 - 01:12Bocage
PoemaLeituras: 677Com: 0

Quem?

Não sei quem és. Já não te vejo bem... E ouço-me dizer (ai, tanta vez!...)
17/11/2012 - 01:09Florbela Espanca
PoemaLeituras: 855Com: 0

Frémito do meu corpo a procurar-te

Frémito do meu corpo a procurar-te, Febre das minhas mãos na tua pele
17/11/2012 - 01:06Florbela Espanca
PoemaLeituras: 692Com: 0

Ao entardecer

 
17/11/2012 - 01:06Alberto Caeiro
PoemaLeituras: 1,034Com: 0

E seguia a visão.--Cria ainda achar-me

E seguia a visão.--Cria ainda achar-me, Alta noite, na igreja solitaria
17/11/2012 - 00:42Alexandre Herculano
PoemaLeituras: 670Com: 0

Perdularia

(A PIO CAVALHEIRO)
17/11/2012 - 00:41Augusto Gil
PoemaLeituras: 922Com: 0

Mas foi uma visão: foi como scena

Mas foi uma visão: foi como scena D'imaginar febril. Creou-se, acaso,
17/11/2012 - 00:40Alexandre Herculano
PoemaLeituras: 734Com: 0

AVÉ CREATOR!

      Desprende pelo espaço as azas d'ouro,
17/11/2012 - 00:24Manuel de Arriaga
PoemaLeituras: 762Com: 0

ASTRO DA RUA

Fazia hontem já tarde um nevoeiro espesso.
17/11/2012 - 00:21Guilherme de Azevedo
PoemaLeituras: 813Com: 0

MISERIA SANTA

Entrando esta manhã n'um templo da cidade
17/11/2012 - 00:19Guilherme de Azevedo
PoemaLeituras: 784Com: 0

*OS MONGES DE ZURBARAN*

(IMITADO DE TH. GAUTIER)
17/11/2012 - 00:17Gomes Leal
PoemaLeituras: 816Com: 0

Pages