Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Da construção humana

Todo dia, sai do coração afora alguma coisa:

Para a edificação ainda é diminuto o amor,

Mas se esvai algo

Como detritos insalubres

Que passa como por canais

Não de águas límpidas, nem transparentes

Todo dia sai algo de um coração adulterado,

Porque o orgulho é como um esgoto imprestável,

Que deve passar por nossa visão rapidamente.

Saiu de nós há poucos segundos palavras ferinas

Que anulam sonhos de outros!

A muitas horas saiu também, morna brandura

Que quase não atingiu ninguém

A instantes paramos no mar das inconstantes alegrias,

De maldades planejadas pelo poder enganador,

De vez em quando, sai alguma coisa produtiva de nós

A ganancia não permite que saia mais ...

Talvez, meio pronunciamento benévolo e até meio perdão.

Para estancar sangramentos, ferimentos emocionais

De vez em quando sai de nós ensaio para a humildade.

Género: