Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

"O meu Mundo Interior..."

Rebento num ponto, algures situado no Karma que me foi concebido tão naturalmente como a existência pré-concebida, e num poder sobre-natural a quem alcunharam de Deus...humm... Olhando para dentro e eliminando tudo o resto que me cerca de lixo urbano enfiado em escritórios e fotocopiadoras ligadas das 09:00h às 17:00h, ou do perfume de mentes inacabadas de outras reencarnações e aberrações, projectadas no presente em rostos inexpressivos e apáticos, vejo-me tranquilo nesta anestesia e com asas para voar de neurónio em neurónio num constante vai e vem em alucinação parcial.
Questiono... Olho a vida que não me pertence ou coloco um dedo num parágrafo algures no Universo da construção de outros Universos, e ainda de outros tantos, confundidos em paralelismos que só nos baralham enquanto seres racionais. O racionalismo debitado num ser, por mais genuíno que pareça ou seja, não facilita muito as coisas, debilitando o pensamento quando tentamos aprofundar e analisar a razão e o seu sentido, se é que para alguns tenha razão de o ser, e para outros, apenas não passe de um cubismo sem formas matemáticas e soluções básicas, “ o errado”, “ o certo”, e seus conformismos aleatórios que pôem em causa o equilibrio espiritual em comportamentos psíco-sociais, instalando a anarquia camufulada pela tentativa de contestação e desorganização, mesmo que num sentido supostamente justo.
Gostaria de permanecer no reflexo de um espelho, ou mesmo nos dois lados em simultâneo, quando penso na ideia de que uma duplicação do Universo e suas consequências me trariam respostas que procuro... Utopia?... Tendo em conta que a realidade apenas existe numa forma abstrata e ao mesmo tempo irrealista, o su-realismo em mim, torna-se cada vez mais o que para muitos significa o absurdo, e que para mim é apenas o absurdo do facto de o considerarem vós mesmos o impacto de uma suposta realidade onde se projectam ideias e convicções na inconsciencia de mergulharem em fantasias ou sonhos inatingíveis. Na minha visão Transcendental, vou e volto, mesmo permanecendo, enquanto isso, na mente, flutuo num estado de ezactidão no raciocinio e na sua intrepertação, sem excluir de modo algum, toda uma complexidade em respostas.
Não passam de meras partilhas com o desconhecido, a sombra, a escuridão e até talvez o vazio, pois é lá que vivo em frações de milésimos de segundo. Quero apenas com isto, adquirir conhecimento e reconciliar-me enquanto vivo na matéria, e gratidão na longevidade da Alma. Quando olho de dentro, viajo á velocidade da Luz, sem a menor perda de clarividência, pelo que coloco de parte a tendência para viver de várias formas, sem uma construção lógica, óbvia... já por si, um vírus enraízado na deteorização da natureza Humana.

- Porque pensamos?... Tão básico.
Em simples pautas músicais compomos emoções e sentimentos em melodias. Em poucas palavras, podemos amar, matar, magoar. Em momentos escondidos, podemos evitar, decidir, usar, ou mesmo... não existir? Será esta ultima questão ( não existir? ), que poderá manter o equilibrio do Universo? Não posso afirmá-lo, não quero atrever-me, pois teriamos de ser super-seres para que a sua conclusão fosse perfeita. Talvez num conhecimento mais empírico as coisas sejam tratadas de forma mais sintetizada e até mesmo cientificamente mais elaboradas no sentido de atingir a ideia de que tudo segue uma lógica, mas, não é assim, pelo menos para mim. Não existem Deuses na Terra, nestes dias, nem em quaisquer outros, e a ideia de que os Nefilins, o fruto do acasalamento Espírito-Carne, se transformaram em Homens... poderosos... é uma das distorções mais desparatadas desde o Antigo Testamento. Devido a alguma ideia oculta que dirigia o relacionamento entre o visivel e o invisivel, eram todos aborrecidos, choramingões, neuróticos, inuteis, pequenos, cretinos e feios. É para mim um dos ultimos mistérios, que presiste sem mérito nem atração estética. Uff... quero terminar... que “.... ” de Mundo pretencioso, prepotente e tendencioso, onde começo a vida por volta das 03:24h após pesadelos sucessivos, constantes, e irritantemente sou incomodado por seres aberrantes, desordeiros e intriguistas que só pensam em lascívia e anarquia enquanto digerem uma refeição leve que os instiga a energéticamente causarem o pânico no constante e ordeiro seguir da Vida. Querem colocar em questão o direito ao sonho e fantasias que me é inerente? Cretinos!!!
Bem vindos á supressão da minha Alma com todo o seu ironismo e toda a sua frieza estonteante no apagar do néon, e no baixar do pano. É tarde demais para perder a noção do caminho, pois eu já cá estava muito antes, e irei ter momentos muito melhores.

Luís Ginja

Que raivaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Género: