Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

O tempo também medita

Luminescências translucidas abalroam a manhã
Que se esvai numa meditação quase entorpecida
São restos de sombras que fenecem enfurecidas
 
Rompendo a imensidão do tempo expectante
Lá vai a solidão cogitando densa, subtil e empalidecida
Até pousar num ciclone de palavras bem ressarcidas
 
Oscilam além tantas horas amordaçadas a um hiato
De tempo quase desgovernado e puído…tão absurdo
Insano e astuto, qual lamento que nem mais refuto
 
FC
Género: