Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Te peço

Meu Deus
Vou morrer e nada sólido
Pra esta viagem levar!
Permita me ao menos
Por enquanto,
Meu coração purificar !
E há sempre aquele a contrariar
Dizendo: - vai Corassis
Você merece o primeiro lugar!
O senhor bem sabe,
Não quero nesta competição
Participar !
Peço que não deixe me faltar o pão ázimo
E um pingo de Jesus!
Por onde eu caminhar
É a minha vontade Senhor,
Não sei se alinha com sua
Te peço como um pedido concreto
Dos poucos que já pedi,
Não! não que da vida desisti
Mas a morte não desisti de mim
Ordene a ela, porque só o Senhor é capaz,
Levar me antes de toda grata herança querida :
Um filho-a
Concedidas pela tua benevolência
E o que realmente peço nesta vida:
E o meu coração de pedra sempre acalmar!
Meu mundo nunca foi , e parece que aqui paraíso nunca será?
Enquanto continuam muitos homens Irracionais a raciocinar
Muito mal a mediar a dor do próximo
O Senhor até pode me considerar uma serpente nesta vida ,
Onde pouco sei,
Mas hoje desacredito nos erros que provei
E nesta estrada o mal vive a se enganar!
Festas e fanfarrras já não me fazem
Delirar.
Eu continuo percebendo a morte
A caminhar .
Homens com tentativas vãs de sua vinda controlar
Mãos hipócritas
Que sempre voltam a se armar
Homens de corações
Que cinzas vão virar.
Mas a morte...
Esta sim
Ela vem ...
Santificada desde Adão
Deixou esta dívida de ingratidão.
Te peço senhor, como pedido sincero:
Que percebam meu coração.
Que talvez foi belo.
Que tentou na vida, oh Soberano Deus!
De alguma forma te agradar.

Género: