um palácio transcendental

o poeta emerge da fantasia juntando as suas manigâncias e os seus queixumes com uma patética clarividência; germina quando os seus bailados derramam uma solidão fundamentada e unicamente sucumbe se a sua alma desencoraja.

Género: