Últimos

Autor Título Género

Correspondências

A natureza é um templo augusto, singular,
13/11/2012 - 23:27Baudelaire
PoemaLeituras: 1,472Com: 0

_No dia dos Annos da Illustrissima, e Excellentissima Senhora D. Maria de Noronha, hoje Condeça de Valladares_.

Senhora, os pobres vestidos Do vosso humilde Compadre,
13/11/2012 - 23:22Nicolau Tolenti...
PoemaLeituras: 1,421Com: 0

*Desditosa cecem!*

      Pobre flôr, que se estiola       Na vertente da montanha,
13/11/2012 - 23:15Joaquim de Melo...
PoemaLeituras: 984Com: 0

Chamar a um livro moral ou imoral não diz nada...

Chamar a um livro moral ou imoral não diz nada. Um livro está bem ou mal escrito.
13/11/2012 - 01:57Oscar Wilde
PoemaLeituras: 1,352Com: 0

Canção da Torre Mais Alta

Juventude presa A tudo oprimida Por delicadeza
13/11/2012 - 01:54Rimbaud
PoemaLeituras: 1,628Com: 0

Não Ser

Quem me dera voltar à inocência Das coisas brutas, sãs, inanimadas,
13/11/2012 - 01:47Florbela Espanca
PoemaLeituras: 1,427Com: 0

Do Tempo que Fui Livre me Arrependo

O culto divinal se celebrava No templo donde toda criatura
13/11/2012 - 01:28Luís de Camões
PoemaLeituras: 1,208Com: 0

A Rosa

Tu, flor de Vénus, Corada Rosa, Leda, fragrante, Pura, mimosa,
13/11/2012 - 01:07Bocage
PoemaLeituras: 1,134Com: 0

O Teu Olhar

O Teu OlharPassam no teu olhar nobres cortejos,
13/11/2012 - 00:55Florbela Espanca
PoemaLeituras: 1,038Com: 0

Ah! Querem uma luz melhor

   
13/11/2012 - 00:50Alberto Caeiro
PoemaLeituras: 1,165Com: 0

Mas porque sôa o vento?--Está deserto

Mas porque sôa o vento?--Está deserto, Silencioso ainda o sacro templo:
13/11/2012 - 00:35Alexandre Herculano
PoemaLeituras: 1,513Com: 0

PRESENTIMENTOS

      Eu bem sei que devia       Causar-te muito dó,
13/11/2012 - 00:16Manuel de Arriaga
PoemaLeituras: 1,146Com: 0

Sonho de nupcias

Eu punha no teu labio a nota quente A musica vibrante dos desejos,
13/11/2012 - 00:13Augusto Gil
PoemaLeituras: 1,147Com: 0

*D. QUICHOTE*

A Luciano Cordeiro      O que é isto?
13/11/2012 - 00:13Gomes Leal
PoemaLeituras: 1,139Com: 0

GRAÇA POSTHUMA

Depois da tua morte eu heide ver se arranco,
13/11/2012 - 00:10Guilherme de Azevedo
PoemaLeituras: 1,431Com: 0

*Os Cavalleiros*

--Onde vaes tu, cavalleiro, Pela noite sem luar?
13/11/2012 - 00:00António Nobre
PoemaLeituras: 1,030Com: 0

LYRA IV.

Marilia, teus olhos São réos, e culpados, Que soffra, e que beije
12/11/2012 - 23:50Tomás António G...
PoemaLeituras: 1,095Com: 0

ULTIMO ADEUS

    Prestes, se inda na rocha de granito
12/11/2012 - 23:40João de Deus
PoemaLeituras: 1,211Com: 0

A DONZELLA E O MUSGO

    Um dia, não sei que eu tinha...     Uma tristeza tamanha!
12/11/2012 - 23:39João de Deus
PoemaLeituras: 1,223Com: 0

AMOR

Amo-te muito, muito.     Reluz-me o paraiso
12/11/2012 - 23:37João de Deus
PoemaLeituras: 1,141Com: 0

Pages