Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Água nas Mãos

“Há alguém de preto no seu quarto”

Ela me avisou quando exaurido estava

Das batalhas que tive e não me lembrava.

 

O sorriso dela era um sinal

“Recobre suas esperanças, irá precisar delas ao entrar”

Os lábios em silêncio avisavam ao se arquearem.

 

A porta entreaberta não era uma violação

Do lugar vazio, morada do meu corpo noturno

Agora havia outra vida, que de cabelos negros despertava.

 

Em prantos recebi-a em meus braços

Tocando seu corpo, único capaz de provar

Que ela era ela.

 

Precisava guardá-la em algum lugar seguro;

Aquilo tudo parecia um sonho.

 

E era.

Género: