Abandono I

Sou o abandono, ode antiga
Sons que devoraram o meu lugar
Luzes que abarcaram uma cantiga
Porto naufragado sem ter mar.

Perdi o sorriso solto ao vento
Silêncio da voz que não chorei
Perdido no chão do meu tormento
Roda de emoção na qual me dei.

Voraz instante de abandono
Tua voz relembra o meu lamento
Leio-me em dúvidas que entono
Descanso no vão do pensamento.

Alma viva que o tempo acalmou
Bruma e sons que me desvaneceram
Saudade dessa história que passou
Letras que vencidas se perderam.

Sou o abandono, a cor escondida
Negra pedra que grita sem falar
Gente que de mim andas perdida
O abrigo frio que ousa sonhar.

Abandono em mim que te criaste
Envolto em sonhos que esqueci
Também tu do sonho abandonaste
Esta pedra em cinzas entregue a ti.

JMPereira

https://www.facebook.com/EmTeusOlhosSeriaVida

Género: 

Comentários

Magnifico poema!