Aflição!

Parado, alheio a tudo

Indiferente, o olhar se perde

No infinito do teto

Deitado na minha cama

Eu não enxergo a saída

A qual perdura há meses

Meu mundo interior

Sinto-me aflito... estranho

Mal posso entender

Aquilo que sinto agora

Pensamentos desconexos

Sem muito sentido...

Repito, choro... silencio

Afundo nos sentimentos

Em outros momentos

Minha vontade faz extravasar

O que me ajuda muito

Nestes momentos é escrever

Como eu faço agora

Minha forma de libertar

Me livro dos problemas

Escrevendo sensações, desejos

Fantasias insanas

Por favor, devolva-me a razão

A sensação de paz

Traga-me um amor,

Para que a dor, o ardor dê lugar

Abra espaço para me libertar

(DiCello, 10/06/2019)

Género: 
Você votou 'Gosto'.