Desilusão

Sôfrego

O que o move ?                    

É aquilo que lhe envolve ?

Que por vezes o dissolve?

E dia a dia revolve?

E nada resolve...

Então bebe café

depois das nove...

Enquanto o pensamento

parece esnobe...


E te sacia

Enquanto o copo esvazia...

Enquanto a vida se faz evasiva

Você lembra que ria

De tanta ironia

Sentando no sofá,

na sala escura ...

“o que dizia?”


Mas você chora,

Depois que o copo esvazia

Pois então você nota

Que o tempo não volta

Rosa Dos Ventos

Põe a vida em movimento,

Rosa dos ventos.

Segue teu caminho ao relento,

Trazendo a vaga vida adentro;

Rosa dos ventos.

 

Nem os dias e as horas contam mais o tempo.

Nem a lua e o sol servem mais ao firmamento.

Tudo se tornou vago

Entre tua despedida e esse momento.

 

Pôs a vida em movimento,

E a minha no mesmo lugar.

Balançar

          Balançar

Saltando de lago em lago

Balançando neste barco

Lutando contra as fúrias das correntes

Chorando por tantas gentes

Porque terei eu medo da doce melodia?

Que ao longe a flauta assobia

Serão as minhas forças a falhar?

Não quero mais fúrias para lutar

Quero um lugar calmo onde repousar

Onde me deitarei sem medo de sonhar

Quero o verde da vida a florescer

E não ter medo de crescer

DEVANEIO


Não muda meu único devaneio
Sou aliado imune deste amor que preciso
Receber e doar
Desbotado meu mundo que era de arco-íris
E tem uma voz que adverte:
Não se entregue ainda amigo
Às vezes gostaria de ser um herói de Cervantes
O amor que morreu de amor.
Presente e regressando no tempo,
Brindei a tantos amores
A primeira vista cristais inquebráveis

UMA PARTE DE MIM

Uma parte de mim é festiva

Outra se furta de vida ,

Festiva parte humana feita de pó

Eu, que sou quase feliz

E de tantas lágrimas , talvez  entenda

O mundo lobo

Não tenho sabedoria para tal

E o que respiro  é em profundo sentimento

Devido a loucura dos dias e  

A embriaguez das noites ( solidão ).

Não ,

Não  é ausência de prazer

Negativo ,

Uma parte de mim e festiva

SER UM POETA

Queria ser um poeta 

Para dormir perante as dores

Queria poder não amar

Para evitar o quê de dor me espera

Queria ser aquele que nunca cansa

No mundo áspero que o cerca,

Ser um plano bem sucedido

Quero de mortes não entender

E a dignidade que nunca me deram

Quero entender porque este humano

Acha-se mais que tantos e tantos outros

Talvez seja composto de ouro e diamantes

E não de carne e osso.

Pages