Desilusão

Sôfrego

O que o move ?                    

É aquilo que lhe envolve ?

Que por vezes o dissolve?

E dia a dia revolve?

E nada resolve...

Então bebe café

depois das nove...

Enquanto o pensamento

parece esnobe...


E te sacia

Enquanto o copo esvazia...

Enquanto a vida se faz evasiva

Você lembra que ria

De tanta ironia

Sentando no sofá,

na sala escura ...

“o que dizia?”


Mas você chora,

Depois que o copo esvazia

Pois então você nota

Que o tempo não volta

Rosa Dos Ventos

Põe a vida em movimento,

Rosa dos ventos.

Segue teu caminho ao relento,

Trazendo a vaga vida adentro;

Rosa dos ventos.

 

Nem os dias e as horas contam mais o tempo.

Nem a lua e o sol servem mais ao firmamento.

Tudo se tornou vago

Entre tua despedida e esse momento.

 

Pôs a vida em movimento,

E a minha no mesmo lugar.

Balançar

          Balançar

Saltando de lago em lago

Balançando neste barco

Lutando contra as fúrias das correntes

Chorando por tantas gentes

Porque terei eu medo da doce melodia?

Que ao longe a flauta assobia

Serão as minhas forças a falhar?

Não quero mais fúrias para lutar

Quero um lugar calmo onde repousar

Onde me deitarei sem medo de sonhar

Quero o verde da vida a florescer

E não ter medo de crescer

(in)condicionais

O tempo mostrará e “julgará” as pessoas.
Ele é o grande descobridor de mentiras escondidas.
Do carácter de conveniência.
Das atitudes irracionais.
Dos "amigos leais".
Dos sentimentos "adormecidos".
Dos “amores” (in)condicionais escondidos. Dos desejos reprimidos...
Da nossa honestidade - só exigida aos outros.
Afinal quantos encontros combinados?
Afinal quanta mentira tem havido?

Calar-nos a boca

A hipocrisia da falsa verdade, da verdade imoral.
Quando nos achamos acima da mentira e a nossa mentira é, afinal, a verdade.
Verdade escondida, inconveniente.
Convenientemente.
Porque também há verdade imoral.
Porque a imoralidade também pode durar no tempo.
E quando a vontade de falar verdades vem acompanhada pela mágoa, a hipótese de falar mentiras e sobretudo ferir, deve calar-nos a boca.
Alexandre Vieira da Silva
9 Agosto 2019
Escrita 2019

Pages