Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Desilusão

Sôfrego

O que o move ?                    

É aquilo que lhe envolve ?

Que por vezes o dissolve?

E dia a dia revolve?

E nada resolve...

Então bebe café

depois das nove...

Enquanto o pensamento

parece esnobe...


E te sacia

Enquanto o copo esvazia...

Enquanto a vida se faz evasiva

Você lembra que ria

De tanta ironia

Sentando no sofá,

na sala escura ...

“o que dizia?”


Mas você chora,

Depois que o copo esvazia

Pois então você nota

Que o tempo não volta

Rosa Dos Ventos

Põe a vida em movimento,

Rosa dos ventos.

Segue teu caminho ao relento,

Trazendo a vaga vida adentro;

Rosa dos ventos.

 

Nem os dias e as horas contam mais o tempo.

Nem a lua e o sol servem mais ao firmamento.

Tudo se tornou vago

Entre tua despedida e esse momento.

 

Pôs a vida em movimento,

E a minha no mesmo lugar.

Balançar

          Balançar

Saltando de lago em lago

Balançando neste barco

Lutando contra as fúrias das correntes

Chorando por tantas gentes

Porque terei eu medo da doce melodia?

Que ao longe a flauta assobia

Serão as minhas forças a falhar?

Não quero mais fúrias para lutar

Quero um lugar calmo onde repousar

Onde me deitarei sem medo de sonhar

Quero o verde da vida a florescer

E não ter medo de crescer

Corvos

Garganta seca
não por falta d'agua
secura onde aperta este nó valente
um punhado de sementes indefesas
a mercê de solo seco
um amontoado de angustias
um soluço esburacando o peito
arrancaram as flores do jardim secreto
do coração inquieto
como se arruinou tão rápido assim...
esta fragilidade se alojou de vez
sepultaram para sempre
esta vila latente de mim
e deixaram tatuado de presente
esta saudade sem fim
miopia e o que acompanha ?
ao ver pássaros coloridos , que na verdade são corvos

Ausência

Ausência, do que a metamorfose meteórica está realizando
Daqui já vejo outro momento atravessando
Coroando as cãs e no cérebro
Que vai processando
A ausência não de abandono
Tentando se adequar a novos jogos.
É a nova juventude apostando...
Agora mais do que nunca compactando com as inovações!
Tecnologias, que despertam o nosso
Sono enquanto sonhávamos
Dispensaram o galo , do seu estridente bom dia matinal
A maioria juvenil prefere a cidade
Trocaram o verde pelo cinza.
As melodias, enlatadas

PERCO NOITES

Há noites em que perco o sono
Noites que são dolorosas
E choro em desespero
A noite já vai muito longa
E as lágrimas e a chuva
Molham o vidro das janelas
Vagueio pela casa, assalto o frigorífico
Ninguém me vê, estão todos a dormir
Eu vou contando as horas, os minutos
Fico a ouvir os barulhos da noite
Olho para a minha amiga lua à espera do sono!!

Pages