Desilusão

Sôfrego

O que o move ?                    

É aquilo que lhe envolve ?

Que por vezes o dissolve?

E dia a dia revolve?

E nada resolve...

Então bebe café

depois das nove...

Enquanto o pensamento

parece esnobe...


E te sacia

Enquanto o copo esvazia...

Enquanto a vida se faz evasiva

Você lembra que ria

De tanta ironia

Sentando no sofá,

na sala escura ...

“o que dizia?”


Mas você chora,

Depois que o copo esvazia

Pois então você nota

Que o tempo não volta

Rosa Dos Ventos

Põe a vida em movimento,

Rosa dos ventos.

Segue teu caminho ao relento,

Trazendo a vaga vida adentro;

Rosa dos ventos.

 

Nem os dias e as horas contam mais o tempo.

Nem a lua e o sol servem mais ao firmamento.

Tudo se tornou vago

Entre tua despedida e esse momento.

 

Pôs a vida em movimento,

E a minha no mesmo lugar.

Balançar

          Balançar

Saltando de lago em lago

Balançando neste barco

Lutando contra as fúrias das correntes

Chorando por tantas gentes

Porque terei eu medo da doce melodia?

Que ao longe a flauta assobia

Serão as minhas forças a falhar?

Não quero mais fúrias para lutar

Quero um lugar calmo onde repousar

Onde me deitarei sem medo de sonhar

Quero o verde da vida a florescer

E não ter medo de crescer

MORRI

Hoje morri de noite
Talvez muitas vezes
Num sonho esquecido
Esquecido no tempo
De uma escura noite
Que assombra-me o corpo

Das horas perdidas
No poço do sentidos
Das trevas que cobiçam
Tudo ao meu redor
Em especial minha alma

PEDAÇOS DE LETRAS

Nesta noite fria fiquei a gelar sem ti
Senti-me vazia pressa na escuridão
A falta do teu calor do toque das tuas mãos
Que me leva a viajar para longe
Escuto uma melodia doce da chuva
Embalando-me e levando-me em direção a ti
Encontro os pedaços de letras
Escondidas guardadas no sótão
Uma palavra, uma foto, uma verdade
Um sentimento guardado de amor 
Que foi e já não é, guardei, rabisquei
Esqueci, sofri, guardado calado

Pages