Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Ah, Emannuelle!

Naqueles tempos, na minha adolescência

sempre fui cinéfilo, apaixonado por películas, 

filmes na telona do cinema, e nas telinhas da TV

Algumas vezes, em imagens monocromáticas

em preto e branco, cheio de chuviscos

a imagem, ficava meio esfumaçada, na penumbra

Mas nunca esqueci, de você, sim Emmanuelle

uma musa... quase uma deusa... a sensualidade

a mais bela silhueta, chegava as nossas pupilas

enfeitiçando nossos olhares perplexos

tal era a ousadia, a expressão complexa

Bons tempos aqueles, são pretéritos momentos

os quais ficaram guardados dentro de nós

Desde esse tempo, já gostava de observar

mesmo com tabus, a nudez cheia de mistérios

numa forma clara de sedução carnal

e, assim criava já, inúmeras fantasias

que hoje escrevo em minhas rimas e versos

na essência da minha poesia, dedicada a Mulher

inspiração simplesmente, puramente divinal

(DiCello, 08/05/2020) 

Género: