Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Alice

Frosty Morning (The Echelon Effect, As The Lights Fade Away)

Reparo nos traços de Alice.

Agarro na minha Polaroid e imortalizo-os.

Amanhã agarro no meu lápis e escrevo-lhe apaixonadamente.

(É que tenho muito medo)

-Alice?

- Sim?

- Promete-me que não vais esquecer quem és? - Se isso acontecer, deixo-te a fotografia e a biografia contada a carvão junto da tua mesa-de-cabeceira.

- Se não vou saber quem sou, tão pouco vou-me lembrar de ti. – Respondeu Alice de mãos sobre o queixo como quem ainda é criança inocente.

Alice e o seu ar de menina, os seus pensamentos persuadem sob tudo aquilo que eu não conseguia explicar, falando-lhe.

Ficava-lhe sem argumentos porque tudo nela era vida consciente de um tão inesperado fim.

- Alice? Dentro da tua gaveta também está a minha biografia e algumas escritas.

- Então já podemos morrer. (diz Alice acendendo um cigarro, sorrindo-me disfarçadamente.)

Levanto-me, apago-o.

Observo-a por instantes e pergunto-lhe o porquê dos seus atos.

- Para esquecer.

(responde-me aturdida, levantando-se, batendo assim com a porta, abrindo-se esta novamente…)

Alice sai. E pousa um silêncio carregado.

Levanto-me. Abro-lhe a cama e acendo todas as luzes da rua.

Deixo a chave de fora.

E por fim abro-lhe as gavetas onde estão os manuscritos;

___________________________________

“ Alice por mais que goste de mim… Eu gosto mais de ti. Agora lê isto e vem deitar-te. O hoje já passou e o amanhã está quase. - Sabes agora quem eu sou e o que és para mim?”

Género: