Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Ave Nocturna

Toe alar a evagação, explua a henose (1) em ascenso...
Subleve-se na peia diurna que dista
Do eixo do eudemonismo, a ave niilista
Entrebate-se em ilinx, Manfredo (2) intenso.

É ulana, é Trafalgar (3), p'lo sol apenso,
Que esplende em anagogia numa ametista.
Antepõe a angélia em verve petrarquista
Ao que de dial lha obnumbra. Carpe incenso.

Transverbera, na absconsa hora, em histerese,
Desnua-se de sofismas, assim ase em
Levez, revoe ecuménica, ondeie, ensede

A "escarpada falésia"(4). Donde advém
Que, ao ablaquear-se do loro e do error, esse
Ser, ideado em Kaled (5), chanta em ninguém.

 

(1) Plotino

(2) BYRON, Lord "Manfred: A Dramatic Poem", 1817

(3) Batalha de Trafalgar

(4) CALVINO, Ítalo "Se Numa Noite de Inverno Um Viajante", 1979, tradução de José Colaço Barreiros, editorial Teorema, Lda.

(5) BYRON, Lord "Lara, A Tale", 1814

Género: 
Você votou 'Gosto'.