Covarde!

Covarde!

 

Sempre acabo regressando em lágrimas.

Tenho a coragem de atirar a pedra no fundo poço escuro,

Mas não tenho coragem de ir busca-la.

Sinto demasiadamente covarde.

Regresso em lágrimas,

Atiro outra pedra.

Covarde!

 

O violino me machuca com seu serrilhar,

Perfura lentamente minhas entranhas...

Sei que sou senti-dor, venho nascendo assim.

Não penso conclusivamente, sou lento, como a sonata que ecoa.

 

Atiro outra pedra,

Covarde! de não conseguir racionalizar e viver como a maioria,

Cadáveres felizes.

 

Por: Leonardo Peracini 

Género: 
Você votou 'Não gosto'.

Comentários

Gostei... Simples  mas tocante :)

Profundo! tente não se covardar, troca essa palavra por amar.

Você vai ver que não é difícil de suportar!

Abraços!

Madalena