Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

De viés para a solidão

Em diagonal e quase de viés o tempo confina um
Oblíquo silêncio imaturo, desenfreado e tão inseguro
A luz ofuscada desata os nós a um breu fiel e maduro
 
De viés todos os segundos dominam uma hora prenhe e lasciva
Olhem como se esconde aquela escuridão intima e possessiva
De soslaio ficou a vida vivida com esta intensidade regenerativa
 
De viés para a solidão as palavras amordaçam um eco furtivo
Além um dueto imaginário de lamentos adormecem mais pensativos
Além os instintos mais labirínticos fertilizam meus silêncios erosivos
 
FC
Género: