Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Declaração de despedida

Declaração de despedida
(Jorge de Azevedo)

Afago este corpo onde mora o desejo
e nesta boca que beijo,
esconde pudores de mim.

Amasso com abraços tuas sedas imberbes
e ainda assim se puderes,
fazes de artista
e afasta o teu ser de mim.

Dei a ti, meus planos e meus ombros
para acalentar tuas horas mais sofridas;
transformei-te em deusa, na minha cama,
tirei a ti, incontinente, da lama
e somente recebo trapos de querer,
sobejos?

Ainda assim, desejo o teu corpo
que tão vil é vendido em cada canto...
corpo maldito, profano, que no entanto
leva-me a loucura...
loucos sonhos maculados.

É castigo amar assim, com tanta candura?
É pecado querer assim, com tanto querer?
É singelo desejar assim, com tanta doçura?
É destino deixar-te agora, para não morrer!

Recife, 13 outubro 1995

Género: 

Comentários

E só recebo trapos de querer, sobejos, foi assim o meu viver!

Quando a gente escreve, põe pra fora o que sente!

Um dia deixa de amar, talvez um incopetente!

 

Abraços beijos

Madalena, nem sempre escrevemos o que vivemos, mas, o que observamos, presenciamos. O poeta tem a sensibilidade de discernir sobre as emoções de uma maneira menos dolorida, talvez.
"Somos iguais, embora tão diferentes", digo isto em um dos meus poemas.

Um abraço com carinho.

Nossos sentimentos baseados no amor e expressos dentro da coerência de longe do egoismo, sempre faz do amor muito bem vindo com todo o aprendizado que oferta-nos.

Até mesmo na dor que nem sempre aceitamos ou compreendemos com o tempo converte-se em algo de bom,nem que seja uma pequenina lembrança e quando perdoamos os espinhos,somos libertados para que a paz e a felicidade vem estar ao nosso lado.

Assim na minha humilde percepção, observo e percebo a cerne da natureza humano, incluindo a minha própria.

 

Meus cumprimentos Poeta e boa terça feira.

Ronilda, somos frutos, não somente do que plantamos, mas, de observações sentidas. Assim diz a poesia, assim são os poemas. Umas vezes, reflexões, outras vezes... Nos despimos de nós e encarnamos o mundo e o mundo nos enche de emoções várias.

Um abraço com carinho.