Poesia Visual

Noite de chuva - Dilúvio

E um pássaro livre de asas pretas tapou o céu
Como se todos os anjos da guarda descessem aos subterrâneos
E a noite cantou em negro o dilúvio de chuva de prata
Como se um coro de fogo de artifício tombasse na terra
E as trombetas nas muralhas tocaram rodos de água
Como se anunciassem o arrasto do vento longo e frio
E as mãos frias de coração quente caminharam entre enormes poças
como se os pés seguissem pegadas de sonhos concretos
E as quedas nas vestes saturadas esvoaçadas abanaram

Alinguagem

Começar,
Fontes nas horas perdidas horas nas fontes;
Horas de fontes perdidas fontes de horas;
Noto tudo neste abismo neste tudo noto.

As Fontes: verdadeiro ou falso;
As Horas: números;
O Abismo: números;
O Abismo = a 0+14.

Começar,
Se as Fontes são > do que verdadeiro então
Começar as Horas = a 7.
Escrever (Fontes (Horas +1)).
Fim,
Fim.

Começar,
Se as Fontes são = a falso então
Começar as Horas = a 0.
Escrever (Fontes (Horas -1)).
Fim,
Fim.

aqui desta janela

Aqui desta janela
Que fica no primeiro andar
Vejo passar o andrajoso,
Coxeando e estendendo a mão
Para que lhe concedam uma esmola
Mostrando os dentes podres que lhe restam
Com um sorriso aberto

E na esquina do lado esquerdo
A Dona Rosa que vende um ramo de flores
E dá outro para que não lhe sobre
Para que não morram nas suas mãos

Amizade Subliminar

 

Não Existem Margens Para A Marginalização, Haters! São Como Desempregados Amantes Da Difamação, Caminham Na Luz Do Teu Insucesso, Não Passam De Estrelas Caídas, Dinossauros Sem Intelecto, Alimentam-se Da Tua Força De Vontade, São Sombras Da Tua Sombra, São Os “Tais” Amigos De Verdade.

Pages