Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Desabafo

Frente ao espelho ,em monólogo,conjecturando as marcas da vida que nem são assim tão visíveis,vejo apenas um rosto que através dos olhos expressivos pedem apenas que os instantes felizes cheguem trazidos pela luz de um nôvo dia. Que algumas marcas de expressão sejam suavizadas pela alegria de viver e saber que em algum lugar, dentro de um coração tenho um cantinho onde posso aconchegar o meu ,nem que seja por breves instantes de pura ilusão talvez.Que este sentimento me torne suave e merecedora da aspiração maior,a felicidade.Nada peço além de um pouco de carinho,de uma palavra com ênfase para o coração que pede arrego.Ser feliz é a meta de todos e acho ter êsse direito,embora nada exija,apenas espero e há tanto tempo que já tenho medo de não reconhecer a felicidade se ela bater à porta.Minha voz sufocou há muito tempo o canto da sereia que clama pelo marinheiro.Ela emudeceu ante o marasmo que deixei tomar conta de meu navegar.Deixei apenas que o vento falasse por mim,que as ondas do mar murmurassem minhas canções,que os pássaros gorjeassem sentimentos frente a vida.Hoje entretanto,frente ao espelho que reflete a imagem quase irreal de um rosto molhado pelas lágrimas que ninguém mais verá,faço o sentimento aflorar,sem arte,rude e fatal.Peço a mim mesma em silêncio e numa oração de esperança que a vida prossiga tranquila,porém andando na direção certa,ao encontro do que certamente virá aquecer meu coração com seu calor,forte e sublime amor...

 

 

Que nunca se confunda o autor com o personagem

Género: