Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Epifania

"Brilho noturno de noite alheia vagando entorno à Terra"
PARMÉNIDES, "Sobre a Natureza" Fragmento 14, entre 490 a.C. e 475 a.C.
 
 
 
Nimba em Serendip (1), ainda que em Otranto (2),
Êxule o transe de Hamelin e flauta (3)
Obducta, já o revérbero se pauta
P'lo Caminho da Mão Direita (4) enquanto
 
Alvorece um Período Edo (5) num canto
Feérico, numa lira sonial, nauta
Do empíreo, do latíbulo, aura incauta  
Alvinitente em Heorot (6). Lene o quanto 
 
Hipostaticamente une, dilecta,
Fanal de venustade. Monet adentro,
Constelação de evérgetas, roleta
                        
Do tético, é Mirphak, enlevo bento
Lucente, exalça como calafeta,
Na serendipidade em sacramento.
 
 
(À cadela Cuca e em memória do meu Tejo)
 
 
 
(1) WALPOLE, Horace “Os Três Príncipes de Serendip”, 1754
 
(2) WALPOLE, Horace “The Castle of Otranto", 1764
 
(3) BROWNING, Robert "The Pied Piper of Hamelin", 1842
 
(4) FORTUNE, Dion "Autodefesa Psíquica", 1983, tradução de Mário Muniz Ferreira, Editora Pensamento-Cultrix, Lda.
 
(5) Período Edo ou Idade da Paz Ininterrupta (1603-1868) (Japão)
 
(6)"Beowulf", 1000
 
 
 
Género: