Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

ESTOU CARENTE… DE TI!

Edu Ribeiro - Me Namora

Na imensidão do vazio da minha cama, perco-me em monólogos mentais com a minha almofada de dormir.

Agarro-me afincadamente a ela, como se ela fosse tu próprio. Procuro-lhe réstias do teu cheiro. Suspiro, choro, sufoco-a, como que sugando-lhe o que resta de TI.

Consegues perceber o quanto sinto a tua ausência, quando não estás?

Fazes-me falta nos pequenos nadas: no beijo de “boa noite!”; no “bom dia” do acordar; na voz mimalha de um “dormiste-bem-meu-amor?”; ou de um “estás linda, como sempre. Amo-te!”; no abraço urgente, bem apertadinho, só porque me apetece.

Mas também fazes-me falta nas coisas maiores: nas grandes decisões que tenho de tomar “olhos nos olhos”; na tristeza amarga dos dias sombrios em que não tenho o teu colo para me aninhar; na partilha da alegria e também da tristeza.

E hoje estou assim: carente de TI, à deriva no teu mar.

 

© Paula Pedro

 

Fonte: https://pamarepe.wordpress.com/2016/06/08/pensamentos-fragmentos-de-vida-52-estou-carente-de-ti/

Género: 
Você votou 'Gosto'.

Comentários

Creditei a ti minha adaptação....

Veja lá Paula

 

Cama fria e vazia

Infinitas lembranças eu tenho

sim, aqui neste meu habitat

na imensidão do vazio da minha cama, 

os lençóis… travesseiros, cobertores

perco-me em monólogos mentais 

Desejos vorazes invadem-me

percorrem minha mansuetude

Quase posso te sentir antes de dormir

Agarro as sensações, ilusões

parecem-me momentos verdadeiros

Fecho meus olhos… penso…procuro-lhe

sim, reviro…remexo as réstias da mente

que desmente que estejas aqui

és meu delírio…eu suspiro, choro, 

sufoca-me com loucura a alma

Ouço-te dizendo-me que me amas

dizendo-me: “boa noite!”; “bom dia”

Mas saiba, não estou triste

só estou repleto de carências

dores que a minh’ alma sente…

à deriva estou em ti, no teu mar

eu queria ter a chance de te amar

só mais um dia, com volúpia

com incandescencia sublime

Se leres este poema

saiba, dediquei-o a ti pela eternidade

pelo infinito daquele amor

que um dia, em mim, se fez presente

(Adaptado de © Paula Pedro,

Por DiCello, 03/07/2016)

 

DiCello Poeta,

Adorei o seu poema, inspirado no meu.

Tem substracto, tem consistência. É ainda mais profundo que o meu, revelando uma grande sensibilidade e volúpia na significância das sensações que pretende transmitir, pelas palavras. 

Muitos parabéns!

 

Beijinhos

 

Paula Pedro

Escrever poesia é sentir... é viver cada linha... é paixão, amor.

beijo no seu coração