FOME

 

 

Se tenho apetite, é só

De terra e pedras.

Diariamente almoço ar,

Rocha, carvões e ferro.

Minhas fomes, voltai. Pastai, fomes,

O prado das sêmeas.

Atrai o alegre veneno

Das papoulas.

Comei cascalho britado,

Pedras de velhas igrejas;

Blocos erráticos de antigos dilúvios,

Pães semeados nos vales cinzentos.

***

O lobo uivava sob a folhagem,

Cuspindo as belas penas

De seu almoço de pássaros:

Como ele, assim me consumo.

As hortaliças, os frutos

Aguardam só a colheita;

Mas a aranha do sótão,

Esta vive de violetas.

Que eu adormeça! que eu arda

Nas aras de Salomão.

A fervura escorre pela ferrugem

E se mistura ao Cedrão.

Enfim, ó felicidade, ó razão, eu separava do céu o azul, que é meio

negro, e vivi, centelha de ouro da luz natureza. De alegre, eu

adquiria a mais burlesca e alucinante aparência que imaginar se

possa:

 

Ela foi achada!

Que? a eternidade.

É o sol desfeito

Nos longes do mar.

Minha alma eterna,

Cumpre a tua promessa

Apesar da noite solitária

E do dia em chamas.

Para isso desprende-te

Dos humanos laços

Dos vãos entusiasmos!

E voa ao acaso...

-- Nada de esperança,

Nem de orietur.

Ciência e paciência,

Certo é o suplício.

Lá se foi a manhã;

Brasas de cetim,

O vosso ardor

É a obrigação.

 

Ela foi achada!

-- Que? - A Eternidade.

É o sol desfeito

Nos longes do mar.

***

 

Tornei-me um ópera fabuloso: vi que todos os seres têm a fatalidade

da felicidade: a ação não é a vida, mas uma maneira de consumir

forças, um enervamento. A moral é uma fraqueza do cérebro.

Afigurava-se-me que a cada ser outras vidas correspondiam. Esse

senhor aí não sabe o que faz: é um anjo. Essa família é um ninho de

cães. Em presença de certos homens, falei em alta voz com um

momento de uma de suas outras vidas. - Assim, amei um porco.

Nenhum dos sofismas da loucura, - a loucura que se encarcera, - foi

esquecido por mim: poderia repeti-los todos, possuo o sistema.

Minha saúde viu-se ameaçada. Sobrevinha o terror. Caía no sono

durante dias seguidos e, uma vez desperto, continuava os sonhos

ainda mais tristes e, por um caminho cheio de perigos, a minha

fraqueza conduzia-me aos confins do mundo e da Ciméria, pátria

das sombras e dos turbilhões.

Tive que viajar, distrair os encantamentos concentrados em meu

cérebro. Do mar, que eu amava como se ele me fosse lavar de uma

mancha, via emergir a cruz consoladora. Eu havia sido condenado

pelo arco-íris. A Felicidade era a minha fatalidade, o meu remorso, o

meu verme: a minha vida sempre seria demasiado imensa para

dedicá-la à força e à beleza.

A Felicidade! Seus dentes, suaves à morte, advertiam-me ao cantar

do galo, - ad matutinum, ao Christus venit, nas mais sombrias

cidades:

 

Ó estações, ó castelos!

Que alma há sem defeitos?

 

Fiz a mágica experiência

Da felicidade, da qual ninguém escapa.

 

Saudemo-la a cada vez

Que canta o galo gaulês.

 

Ah! Já não terei mais desejos:

Pois ela velará por minha vida.

 

Este encanto criou corpo e alma

E dispersou os esforços.

 

Ó estações, ó castelos!

A hora de sua fuga, ah!

 

Será a hora da morte.

Ó estações, ó castelos!

***

 

Tudo isto passou. Hoje eu sei saudar a beleza.

Género: 
Você votou 'Gosto'.