Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Fome

Eu queria poder ser o mestre cuca do mundo inteiro
Acabar com a falta da alimentação diária
e a diminuta esperança
Preparar pratos salgados e caramelados
Estabelecer o cuidado, cuidadoso
Mestre cuca dos necessitados que ostentam
O título maldito, ingrato
Da fome que não podem saciar
Necessitam mais que braçadas
Neste lamaçal de injustiças
Tantas terras improdutivas
Não se tornam produtivas pela malevolência
Derrubam florestas, não deixam os índios sonharem
Madeira de lei, criar gado
Para tudo importar!
Homens com grandes títulos não permitem
Amorosamente Deus organizar a fertilidade ,
Frequente morte no mundo triste sim
Cólera e desprazer é um grande ser
A tristeza faz modismo em mim
Na África mas um morre de fome ao amanhecer
Eu queria ser dono deste caldeirão fantástico
E importar a logística do bem para o mal
Onde os soldados são bem alimentados
E o povo não sofre de fome
E não pensam em se alimentarem das sobras
Das feiras livres semanais ,
Onde o que mais perturba
É o grito estridente do feirante
Anunciando o alimento com novo aumento.

Género: