Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Halloween

Embalsamado, tão mumificado,
o homem enlaçado é engraçado.
Ele veste mil faixas e vai dormir,
já a bruxa, o enfeitiça e faz cair.
Seja nas tentações ou no papo,
o dorminhoco é otário, é fato.
Acredita no pós-vida e em Toth:
‘’O que está em cima, está no calote’’.
É um mero faraó enganado,
diferente do fantasma datado.
Faz ‘’bu’’ no meio da madrugada,
assusta até a velha encalhada,
pelo menos não é a dona morte,
mesmo com a mesquinhez dá sorte,
ao menos no halloween ela existe.
Ceifa todo mundo sem nem saber,
nem dormindo, nem enfeitiçado
nem sendo palhaço ou datado:
vivemos mortos ao seu lado
e assim um dia vamos a ter.

Género: