Lá vai a rosa de negro...

Lá vai a rosa de negro vestida, tão desacreditada
Farta e excessivamente licitada qual estéril
Lamento alinhavado num eco sempre decapitado
 
Lá vai a rosa de negro, de negro pintada
De negro a noite mais negra açoitada
De breus vestida e com palavras enjeitada
 
Lá vai a rosa de negro sem escolta ao relento
De véus funestos traja um infando breu premeditado 
Que se esconde nesta escuridão deveras tão rejeitada
 
Lá vai a rosa de negro de negro tão denegrido 
No átrio do tempo um lôbrego silêncio deixa falido
Oh, nefário lamento escoltando um triste ai tão combalido
 
FC
Género: 
Você votou 'Gosto'.