Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

LAVADEIRA

LAVADEIRA

 

Oh! Lavadeira que lavas,

Nas frescas águas do rio,

Amansas as águas bravas,

Quer faça calor ou frio.

 

Nem a frescura das águas,

Apagam o teu fulgor,

Só tu lavas minhas mágoas,

Quando perdes o pudor.

 

Lavadeira que te lavas

E eu tanto m’ inebrio,

Meu Deus, como m’ excitavas,

Sempre que estavas no rio.

 

Já muitas águas passaram,

Muitos corpos se banharam,

Nessas águas do rio;

 

Mas nenhum me disse tanto,

Nem olhei com tal encanto,

Outro como esse no cio.

 

LAF21JUL2018

 

Género: