Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

A Luxúria da Deusa Inércia

Tu és parecida comigo,
idêntica nas contradições,
uniforme nos pesares.
Sem ti tudo é incoerente.
Apesar, odeio-te, quero
teu fim, assim como
ataca-me nos ombros
com teu cajado da lamúria,
busco recuar meu escudo
e marchar em dianteira
contra tua existência.
Vocifera sermões ignóbeis
ornamentados como soldados.
Vituperando a desesperança
com teu algor sangue vil;
Prestes a adoecer, entrego-me
aos teus braços.
 
Imortalidade da alma, o fruto
proibido que comeste quando
veio à cá; somente meu coração
em tuas mãos faz o sentido
da vida permanecer intacto.
Pegue meu órgão já negro e
exploda em vossa mão.
Deixe a bomba destruir todo
o árduo viver que fatalmente
tive que ter; a guerra mundial
contra o penar tolerado por
milênios.
Sou teu como desejaste.

 

Género: