Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Tristeza

Feridas

Caros leitores,

                           fui lançado num mundo de sofrimento e solidão, pois quem eu acreditava ser meu verdadeiro amor, trocou-me por uma vida vazia de sentimentos bons e cheia de futilidades. Hoje sofro com esta perda e amanhã não saberei ...

 

 

A verdadeira solidão...

A verdadeira solidão,

não é aquela que o olhar alcança

é aquela que o peito denuncia,

e que não se pode pesar na balança...

A verdadeira solidão,

não é a ausência dos demais

é poder estar numa multidão,

e não nos encontrarmos jamais...

É o vazio que habita na alma,

uma tristeza tamanha,

que deixa o peito em ferida,

e que os nossos olhos banha...

A verdadeira solidão,

é a falta de nós em nós,

quando isso acontece,

é que nos sentimos realmente sós...

*** @rtemis ***

Belicismo

Os bélicos da guerra que envolve o mundo a nossa casa, sentado na minha secretária a beber um chá de frutos vermelhos, contacto a matilha e pergunto vamos fazer uma guerra, somos poderosos e o nosso jogo envolve peões, eles são fundamentais para começar a confusão com ajuda do ilusionismo e umas quantas bombas, destabilizamos e imputamos a culpa estrategicamente, os voluntários vão contribuir para as nossas empresas (armas, material de guerra, mascaras do horror e tristeza, vestuário a rigor para um funeral de fantoches, também material de saúde e primeiros socorros que já chegam tarde á de

A Cor Do Hálito

 

 

Da minha boca

Caem petálas em gotas d'alfazemas

da cor que cheira o hálito da Tua nostalgia

tombada e triste

Do alto do baloiço dos Teus cílios

Espalmo as mãos para abraçar-te sois

Mas...

No tumulo da confusa e muda solidão

...Daquela estação sem nome,

Morremos no silêncio sem cor.

 

Ronilda David/Loubah Sofia - Alma Feita De Ti

...

 

Fotografia : Fernanda (in memorian) Hélder Gonçalves - art: Inês Zenha

Silêncio

Almas coragem, eivadas,
Da lavoura, das espigas,
Pelas terras desbravadas
Onde sobravam fadigas.

Desafiando a pobreza
Que era sua companhia,
Como a fome e a tristeza
Disfarçada de alegria.

Ontem cansaço e pranto
E o esforço nas enxadas,
Hoje, almas em descanso
E terras abandonadas.

E nos campos ao desdém
Acariciados pelo vento,
Ninguém era Pedro Sem,
Pois só o céu dava alento.

Raivas do Passado

Uma raiva que me escapa , 

Uma saudade que exalta,

A desilusão de perder , 

O desejo do triunfo de outrora viver , 

A abundancia e riqueza obter ,

A vontade de querer reviver , 

Todo o sucesso que eu pude viver ,

Não há dia que não me arrependa,

De ter sido banido , 

Um desperdicio metido , 

E um final ressentido ,

Porém tenho a vontade de recomeçar ,

De mais uma vez alcançar e desta vez segurar , 

Todo o fruto de um trabalho , 

De ser o mestre do baralho .

Pages