Mau Sangue

 

 

Herdo de meus antepassados, os gauleses, os olhos azuis-claros, a

fronte estreita, e a falta de jeito para a luta. Sinto que minhas roupas

são tão bárbaras quanto as deles. Apenas não unto a cabeleira.

Os Gauleses foram esfoladores de animais, queimadores de ervas, os

mais inábeis de seu tempo.

Deles, eu herdo: a idolatria e o amor ao sacrilégio; - oh! todos os

vícios: cólera, luxúria, - magnífica, a luxúria; - sobretudo mentira e

preguiça.

Detesto todas as profissões. Mestres e oficiais, todos campônios,

ignaros. A mão que empunha a pena equivale à que guia o arado. -

Que século de mãos! - Jamais me servirei das mãos! Depois, a

domesticidade leva demasiado longe. A honradez da mendicidade

exaspera-me. Os criminosos repugnam-me como castrados: quanto a

mim, estou intacto, e pouco se me dá.

Mas quem fez tão pérfida a minha língua que, até agora, tem guiado

e protegido a minha preguiça? Sem saber utilizar-me do corpo, e

mais ocioso que um sapo, tenho vivido por toda a parte. Não há

família na Europa que eu não conheça: - Estou falando de famílias

iguais à minha, que devem tudo à declaração dos Direitos do

Homem – Tenho conhecido cada filho-família!

***

Se possuísse antecedentes em um ponto qualquer da história de

França!

Mas não, nada.

Não ignoro que fui sempre de raça inferior. Não posso compreender

a revolta. Minha raça só se rebelará para saquear: como os lobos ao

animal que não mataram.

Recordo a história de França, filha primogênita da Igreja. Aldeão,

teria empreendido viagem à Terra Santa; vejo em pensamento

caminhos nas planícies suábias, panoramas de Bizâncio, muralhas de

Jerusalém: o culto de Maria, o enternecimento para com o

crucificado despertam em mim entre mil fantasias profanas. - Estou

sentado, leproso, sobre cacos de vasos e urtigas, junto a um muro

roído pelo sol. – Mais tarde, lansquenete, bivacaria sob as noites de

Alemanha.

Ah! mais ainda: danço o sabá numa incendiada clareira, com velhas

e crianças.

Minhas lembranças detêm-se nessa terra e no cristianismo. Ver-meei

sempre nesse passado. Mas sempre sozinho; sem família; e, além

disso, que língua falarei? jamais me surpreendo nos concílios de

Cristo ou nos concílios dos Senhores, - representantes de Cristo.

Que era eu no século passado: só hoje torno a encontrar-me.

Acabaram-se os vagabundos, nada de guerras sem sentido. A raça

inferior cobriu tudo - o povo, como se diz, a razão; a nação, e a

ciência.

Oh! A ciência! Tudo se repete. Para o corpo e para a alma, - o

viático - temos a medicina e a filosofia, - os remédios das boas

mulheres e as canções populares apropriadas. E as distrações dos

príncipes e os jogos que eles interditam! Geografia, cosmografia,

mecânica, química ...

A ciência, a nova nobreza! O progresso. O mundo marcha. Por que

não havia de girar?

É a visão dos números. Vamos pata o Espírito. É certíssimo, este

oráculo, que eu faço. Compreendo, e não sabendo explicar-me sem

palavras pagãs, preferiria silenciar.

***

Retorna o sangue pagão! O Espírito está próximo; por que Cristo

não me ajuda, dando à minha alma nobreza e liberdade? Ai, o

Evangelho morreu. O Evangelho! O Evangelho.

Espero Deus avidamente. Sou de raça inferior por toda a eternidade.

Estou na praia armoricana. Que as cidades se iluminem à noite.

Minha jornada está realizada; abandono a Europa. A aragem

marinha queimar-me-á os pulmões; os climas perdidos tostar-me-ão.

Nadar, mordiscar ervas, caçar, fumar, sobretudo; beber licores fortes

como chumbo derretido, - qual faziam esses queridos antepassados

em volta do fogo

Retornarei com membros de aço, negra a epiderme, as pupilas

acesas: por minha máscara julgar-me-ão de um raça forte. Possuirei

ouro: serei ocioso e brutal. As mulheres cuidam destes ferozes

enfermos que regressam dos países quentes. Participarei dos

negócios políticos. Salvo.

Agora estou amaldiçoado, horroriza-me a pátria. O melhor é um

sono, completamente bêbado, na praia.

***

Ninguém parte. – Percorramos novamente os caminhos daqui,

carregado de meu vício que aprofundou sua raízes de sofrimento a

meu lado, desde a idade da razão, - que sobe ao céu, me golpeia,

derruba, arrasta.

A derradeira inocência e a derradeira timidez. Está dito. Não

entregar ao mundo meus desgostos e minhas traições.

Vamos! A marcha, o fardo, o deserto, o tédio e a cólera.

A quem me alugar? Que besta é preciso adorar? Que santa imagem

atacar? Que corações destruirei? Que mentira devo sustentar? Sobre

que sangue caminhar?

Mas, é melhor evitar a justiça. – A vida dura, o simples

embrutecimento, - levantar, o punho seco, a tampa do caixão, sentarse,

afogar. Assim desaparecem a velhice e os perigos: o terror não é

francês.

Ah! Sinto-me tão abandonado que estou oferecendo a qualquer

divina imagem – impulsos para a perfeição.

Ó minha abnegação, ó maravilhosa caridade! aqui em baixo,

embora!

De profundis, Domine, que estúpido sou!

***

Menino, eu admirava o presidiário intratável sobre quem se fecha

sempre a porta da prisão; visitava os albergues e as pousadas que ele

havia santificado com sua passagem; via com sua idéia o céu azul e

o trabalho florido do campo; pressentia sua fatalidade nas cidades.

Era mais forte que um santo, tinha mais bom-senso que um viajante,

- e ele, só ele! Como testemunho de sua glória e de sua razão.

Nas estradas, nas noites de inverno, sem teto, sem roupa, sem pão,

uma voz oprimia meu coração gelado: "Fraqueza ou força: repara, é

a força. Não sabes para onde vais, nem porque vais, entra por toda a

parte, responde a tudo. Não lograrão matar-te a menos que já sejas

um cadáver". Pela manhã tinha o olhar tão perdido e o aspecto tão

morto, que aqueles que me encontravam possivelmente não me

viam.

Nas cidades, a lama parecia-me de súbito vermelha e negra, como

um espelho quando a lâmpada circula na peça contígua, como um

tesouro na floresta! Boa sorte, exclamava eu, e via um mar de

labaredas e fumaça no céu, e, à esquerda, à direita, todas as riquezas

ardendo como um milhar de relâmpagos.

Mas a orgia e a camaradagem das mulheres me estavam proibidas.

Nem ao menos um companheiro. Via-me diante de uma multidão

exasperada, em frente ao pelotão de fuzilamento, chorando a

desgraça de que não houvessem podido compreender, e perdoando!

– Como Joana d'Arc! - "Sacerdotes, professores, mestres, vós vos

enganais entregando-me à Justiça. Jamais pertenci a este povo daqui

de baixo; jamais fui cristão; eu pertenço à raça que cantava no

suplício; não compreendo as leis; não tenho senso moral; sou um

bruto: vós vos enganais".

Sim, tenho os olhos cerrados para a vossa luz. Sou uma, um negro.

Contudo posso salvar-me. Vós sois falsos negros; vós, maníacos,

ferozes, avarentos. Mercador, tu és negro; magistrado, tu és negro;

general, tu és negro; imperador, velho prurido, tu és negro; tu

bebeste um licor não selado, da fábrica de Satã. – Este povo está

inspirado pela febre e pelo câncer. Mutilados e velhos são de tal

modo respeitáveis que pedem que os cozinhem. – O mais sábio é

abandonar este continente, onde ronda a loucura para prover de

reféns estes miseráveis. Entro no verdadeiro reino dos filhos de Can.

Conheço ao menos a natureza? Conheço-me a mim próprio? – Basta

de palavras. Sepulto os mortos em meu ventre. Gritos, tambor,

dança, dança, dança, dança! Nem sequer considero que ao

desembarcarem os brancos, cairei no nada.

Fome sede, grito, dança, dança, dança, dança!

***

Os brancos desembarcam. O canhão! É preciso submeter-se ao

batismo, vestir-se, trabalhar.

Recebi no coração o toque da graça. Ah! Não o havia previsto!

Nunca pratiquei o mal. Os dias vão ser suaves, apagar-se-me-á o

remorso. Não terei suportado os tormentos da alma quase morta para

o bem, onde sobe a luz severa como os círios fúnebres. A sorte do

filho-família, esquife prematuro coberto de límpidas lágrimas. Certo,

a libertinagem é estúpida, o vício é estúpido; é preciso arrojar

distante a podridão. Mas o relógio nunca dará unicamente as horas

de dor! Vou ser raptado qual uma criança, para brincar no paraíso,

esquecido de todas as desgraças?

Depressa! há outras vidas? - O sono em meio às riquezas é

impossível. A riqueza foi sempre bem público. Só o amor divino

outorga as chaves da ciência. Vejo que a natureza não é senão um

espetáculo de bondade. Adeus quimeras, ideais, erros!

O canto razoável dos amigos eleva-se do navio salvador: é o amor

divino. - Dois amores! Posso morrer de amor terrestre, morrer de

sacrifício. Deixei almas cuja pena crescerá com minha partida!

Escolheste-me entre náufragos; os que ficam são meus amigos?

Salvei-os!

Despertou-me a razão. O mundo é bom. Abençoarei a vida. Amarei

meus irmãos. Não são promessas infantis. Nem esperança de escapar

à velhice e à morte. Deus me dá força e eu louvo a Deus.

***

O tédio já não é o meu amor. As cóleras, a libertinagem, a loucura, -

dos quais conheço todos os impulsos e todas as conseqü.ncias - todo

o meu fardo está deposto. Apreciemos sem vertigem a extensão de

minha inocência.

Já não serei capaz de implorar o consolo de uma bastonada. Não me

acredito a caminha de umas núpcias com Jesus Cristo por sogro.

Não sou prisioneiro de minha razão. Disse: Deus. Quero a liberdade

na salvação: como alcançá-la? Os gostos fúteis abandonaram-me. Já

não preciso de sacrifícios nem de amor divino. Não tenho saudades

do século dos corações sensíveis. Cada um tem sua razão, desprezo

e caridade: retenho meu lugar no alto desta angélica escala de bomsenso.

Quanto à felicidade estabelecida, doméstica ou não... não, não

posso. Estou demasiado gasto, demasiado débil. A vida floresce pelo

trabalho, velha verdade: quanto a mim, minha vida não é

suficientemente pesada, voa e flutua distante, por cima da ação, esse

adorado eixo do mundo.

Como me sinto solteirona, falto de coragem para amar a morte.

Se Deus me concedesse a calma celeste, aérea, a oração, - como os

antigos santos -. Os santos! os fortes! os anacoretas, os artistas tais

quais já não precisamos.

Farsa contínua.! Minha inocência me faria chorar. A vida é a farsa

que todos têm que representar.

***

Basta! eis a punição. - Em marcha!

Ah! queimam os pulmões, latejam as têmporas! A noite tomba em

meus olhos, em pleno sol! O coração... os membros...

Aonde vamos? ao combate? Sou fraco! os outros avançam. Os

ferros, as armas... o tempo !...

Fogo! Fogo sobre mim! Lá! para onde me dirijo. - Covardes - Matome!

Arrojo-me entre as patas dos cavalos!

- Habituar-me-ei a isso.

Esta seria a vida francesa, o caminho da honra!

 

 

Género: 
Você votou 'Gosto'.