Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Não sou fácil

Sei que não fácil

Sei que não sou fácil
Por vezes sou arrogante
Digo o tudo o quero
Antes de conseguir pensar
E depois fico num desespero
Porque sou tão frágil
Mas não gosto de o demonstrar
Porque ser frágil
É uma das minhas maiores fraquezas
Por isso à volta do meu mundo
Com espinhos fiz o meu muro de defesas

Tenho uma mentalidade muito complicada
Por vezes não consigo pensar
Deixo o impulso controlar o meu cérebro
Que me faz descontrolar
Fazendo o contrário do que quero
Dizendo parvoíces
Pensando em idiotices
Entrando num mundo de auto-destruição
Que se torna num caminho sem bilhete de volta
Só de ida

Fico irritada quando quero algo
E o que quero não acontece
E na minha impaciência de esperar
Faço uma revolução na minha cabeça
E logo o que é mau, aparece
E tira-me a paz do coração
E torno-me demasiado determinada e teimosa
Fazendo disso um perigo
Que afecta a minha sanidade mental
Sádica e furiosa
Sem querer esperar
Fazendo disso um vício
Que não consigo libertar

Mas, quando alguém precisa de mim
Consigo ser carinhosa
Simpática e até melosa
Dando o carinho que não existe em mim
Mas se isso fizer uma pequena
Diferença na vida da outra pessoa
Então posso rir e seguir
Voltando ao meu mundo
Que é só meu
Onde não deixo ninguém entrar
Onde só existo eu

Não deixo muitas pessoas
De mim se aproximar
De entrarem dentro no meu mundo
Devido às mágoas que já sofri
E às desilusões que tanto chorei
Mas quando abro as portas do meu coração
Algo que é muito raro acontecer
Dou tudo de mim

Mesmo sabendo que vou voltar a sofrer
Pois ficarei numa solidão sem fim
Assim que essa pessoa perceber
Que já não precisa mais de mim
E irá embora sem sequer me olhar nos olhos
E irá sem sem sequer
Se despedir, agradecer ou sorrir.

Sei que não sou fácil
Mas quando abro as portas do meu coração
Eu amo com paixão
E vou até ao fim do mundo
Atrás do amor que me deu a mão
E nunca mais foi embora
Aceitando todas as minhas birras
Todas as vezes que gritei e perdi a razão

Porque esse é o homem
Por quem vale a pena lutar
Que me aceita como eu sou
E que me ama com este meu jeito desajeitado de ser
Pois eu sei que não sou fácil

E nunca nada mudará
A minha dificuldade em viver
De uma forma fácil
Que não cause estragos
Nem faça ninguém sofrer
Porque eu sei que não sou fácil!

Direitos de autor: Sandra Silva

Género: