Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Nada sei!

Não sei...

não mesmo, 

nem consigo compreender

imaginar muito bem

quais seriam os porquês,

a causa prolixa,

os desejos primários

as sensações secundárias

Acredito que seja o desejo

gritando nas entranhas

nas profundezas

Deste meu amante ser

Tomam posse de mim

se apossam

Mas realmente, pontualmente

eu não sei

Só sei que nada sei

(DiCello, 20/11/2020)

Género: