Erótico

Números mágicos...

existe qualquer coisa nos números,
que sempre me fascinou,
embora eu com a matemática,
simplesmente não me dou...
prefiro as letras aos números,
mas tenho que dar a mão á palmatória,
os algarismos quando bem ligados,
podem contar a nossa estória...
Eles dão-se aos olhares em código,
mas só quem sabe consegue ver,
que por trás da aritmética,
existe um mundo a se esconder...
Eu gosto de observá-los,
tirar-lhes muitas vezes a pinta,
mas confesso que sempre que posso,

Corpo - Homem

 

 Corpo – Homem

Despido do salivar da minha língua,

teu corpo-homem arde em fogo nas cinzas

do olhar  solto de prazer.

No topo do tronco flutuam letras de cabelos brancos,

que marcam a vivência física.

Olhos fundidos no manto da terra,

cercados por cercas escuras da noite,

Inebriam meus-  teus lábios dormentes,

respirar teu hálito,

prender tua língua na minha,

perder-me no alfabeto do Corpo-Homem.

Escorre pelo meu rosto caricias, carinhos

desenhados em teus dedos de água-fogo.

Um ato de fato!

É o ato...fato
num instante exato
Onde masculinidade dum toque
abrange toda a mansidão
Atiçando a sensualidade feminina
ao acariciar a geografia
Tua sublime paisagem
entre curvas e linhas
Beijos e lambidas à provar sabores
a sentir os odores aflorados
Os quais podem dominar
seduzir com a magia
Saindo das sobras... da escuridão
trazendo a luz consciente
neste instante de desejos
Onde a paixão é um sentimento
ardentes são as sensações
Tais devaneios levam ambos

Sopro do Demo...

Quero-a simples como a vejo

Solta ao ritmo do desejo,

A escrita!...

Sem baralhação.

Não quero as ideias condensadas

Em frases eruditas, rebuscadas.

Mas sim que dêem espaço à imaginação.

 

Quero as palavras, de vontade cheias.

Mas apenas de ideias meias,

Que só tu possas terminar...

Palavras facilmente soletradas.

Ideias em teu corpo terminadas,

E partilhadas, em nosso olhar.

 

Se te vejo nua...

Quero que não resistas.

Que não te acanhes, e que te dispas.

Á Flor da Pele - Michelle

Michelle, francesa moça,

Meteu-se-lhe na cabeça louca

Que o amor de sua vida seria eu.

“Michelle, c’est pas possible!

Tu és uma garota incrível

Mas não mereço o amor teu.”

“C’est pas vrai, et je t’aime!”

Dizia-me com uma lágrima no olhar.

“Mas, Michelle! …

Sou vagabundo empedernido

Há muito do amor esquecido

Nada tenho para te dar.”

E Michelle não desistia

Doía-me a sua alegria

Quando me tinha perto de si.

Sabendo que não a merecia

Pages