Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

NO OUTRO MUNDO

Ao voltares um dia, anjo loiro,
Meu tesoiro, ao teu berço divino,
E eu a tua espera lá estiver,
Verás que em tua existência rara,
Não te fui um amigo qualquer;
E que, nos meus anos tão soturnos,
Foste mais que uma bela mulher!

Sem sofrer nos cismares noturnos
Esta ausência cruel que me foste;
Por esperar teu sutil retorno,
Sei que vou sorrir eternamente,
Como antes, ao teu lado, e essas lágrimas
Serão extintas na nova terra.

Saberás que meu terno carinho
Por tu`alma nunca fora fingido,
A transportar somente os enganos!
Pois, estarei té mais que um esposo,
Desejando teu olhar mimoso,
Quando deixares os rijos anos
E tudo que te foi doloroso.

Entre as roseiras tão perfumadas,
Ao som das aves celestiais,
Qual se estivesse no lar das fadas
Ou nas paragens dos pantanais;
Talvez eu queira morrer em pranto,
Mesmo sabendo não morrer mais,
Se, de repente, por um encanto,
Como num sonho que sonhei tanto,
Na alegria nós sermos iguais.

Quero te encontrar em meio às árvores...
Tal qual me ergui dos horrendos mármores,
Não terei medo quando disser
Que foste a razão de meus pesares,
O fogo santo de meus altares...
Foste mais que uma bela mulher!

Lá, onde o mal não cruza as fronteiras,
E não constrói seu ninho a malícia,
Onde contam as fontes brilhantes
Os segredos ao mundo escondidos,
Não mais abraçarei a saudade,
Exceto logo que ao te sentir,
Deitando a fronte em teu ledo seio,
De teu coração eu não ouvir
Os frêmitos outrora sonhados,
Porém que me foram interditos.

E, quem sabe o que de nós será,
Outra vez juntos na juventude,
Sendo que, libando a doce crença,
Não mais divisarei as muralhas,
Ou as poeiras que escureceram
Minha austera jornada terrestre?
Tu estarás ubíqua e singela,
Qual sempre fora em minha vivência,
Ouvindo que fui quem mais te amou!
Então, quem sabe teu beijo eu sinta
Nos lábios que só p`ra ti cantaram,
Depois de ser na vida ou na morte,
Aquele que sempre te esperou.

ALEXANDRE CAMPANHOLA - 25/10/2008

Género: 

Comentários

Um intimo desabafo

que destaca-se pelo

sentimento descrito