Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

O Anjo Voou

Vejo que estás para partir,

Pensei que houvesse mais tempo, pensei.

Só me apetece para longe fugir,

Deitar ao rio tudo aquilo que não te dei.

 

Os teus cabelos, como o sol, já não brilharão,

Os teus olhos já não serão o seu onde eu esperava voar.

Os meus dias nunca mais se alegrarão,

Como quando te via a chegar, a brilhar…

 

Penso em tudo o que podíamos ter vindo a ser,

Penso naquilo que deixei escapar por entre os meus dedos.

Chegou a hora em mais nada há para fazer,

Fechar o que sinto no mundo dos segredos.

 

O que fazer quando nada foi feito?

Como acabar um poema que nunca se começou.

Como arrancar a esperança que ocupavas no meu peito?

Como aceitar que o mundo se acabou?

 

 

(07/05/2014 – 00:18)

Género: 

Comentários



O mais importante pra ti, és tu mesmo. Descobre o mundo à tua volta, possivelmente encontrarás agumas respostas. O tempo traz serenidade que ajuda a visão, dilui as nuvens que nos asalta a mente, possibilitando  ver mais longe.

Um abraço,

João Murty

 

António Cardoso's picture

Concordo plenamente, enquanto a gente não conseguir encontrar o mundo que há em nós, não podemos ir à procura do mundo que há nos outros. Enquanto não soubermos quem somos, não saberemos conhecer os outros...
Muitas das respostas estão em nós ou estão perto, mas não estão à frente dos nossos olhos.

Um abraço, amigo João Murty.