Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

O Atrevido Natimorto

Atrevido Natimorto

Porque choras por mim Homem de sonhos Eu sou incrivelmente etéreo como o refluir etílico do ventre santo

Sem nome para que tu possas difamar-me

Porque choras por mim Homem de sonhos

Sem nome sem lembranças por não ter nascido

Que tenho eu contigo atrevido natimorto se nem solene cerimônia De ataúde branco onde se colocam corpinho de anjo compartilhamos

Foste se esvair em messa metálica fria como disseste incrivelmente etéreo

Não gastas tempo por ser tempo disforme

isso foi triste por isso que choro

É transferido em quase sangue em quase nada

O suficiente para chamar de mãe natural sem estigmas de aberração

Eu que deveria chorar por ti homem de sonhos

por todas tuas incertezas Por toda sua luta cheia de intemperes nada espontâneo que te perseguem dia a dia

Não chores por mim homem de sonhos sou tua pureza nunca alcançada livrou-me a sorte de nascer em terra triste de meia luz

a criança nua que nunca foi vestida sem cronograma sem status sem fardos impostos e tradições que me impediriam de crescer

, não estou no retrato da família fui colocado fora da roda de conversas quase sempre vazias

só não te esqueças homem de sonhos que te elevei toneladas acimas do que aspiras com meu espirito sumamente terno, mas leve que a luz do sol

e que um dia te chamarei de pai.

Género: