Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

O instinto das árvores

O instinto das árvores

Oiço o cantar das milheirinhas… lembro-me que se aproxima a Primavera, contudo estou só.

Estou sentado na minha cadeira, olho para o pátio e reparo numa magnólia que cresce verticalmente, como uma vara, uma cana da India.

Ela faz isso apenas porque procura o Sol, porque quer sobreviver.

Ela cresce sem copa para não morrer. Parece um pau desnudado, magro, esfomeado…, mas milagrosamente deu lindas flores de cor rosa melissa! Que tu, meu amor, tão bem conheces.

É uma Magnólia e está florida de baixo até ao topo. Procura o sol como eu procuro o teu amor.

O meu amor tem vidas sem fim para te amar.

E nem o Sol vai impedir que ele cresça.

É como uma Primavera de um Homem Ressuscitado.

11:16

MS

18/04/2018

Género: