Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Quantum

Por que devo eu esquecer-te?

Por que devo eu esperar-te?

Não sou a criatura que tu desejas

Tampouco o sonho que tu engendras.

Sou fruto das iniquidades

Das incertezas humanas. 

Sou fruto do meu próprio ser.

E o desenho do teu sorriso,

Hoje ensejo.

Amanhã, nada sei, apenas desejo

Que as ondas não levem esse lindo lampejo

A energia de que preciso,

Ai está!

O teu sorriso,

E o meu riso,

Não podem mais se separar.

Dá-me a energia! 

 

Género: 
Você votou 'Gosto'.