Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Sacrifício

A borboleta às cores pousou na flor às cores a morrer por cima do pano que tapa o espetado que havia sonhado e gritado e caído amparado na terra dos pedaços de carne em decomposição. Na terra dos pedaços de carne em decomposição há o esperma que caiu no canto escuro da casa e que depois foi atirado para fora da porta trazendo consigo os cavaleiros do apocalipse que ainda hoje encostam o focinho preto dos cavalos nas vidraças. O focinho preto dos cavalos nas vidraças desenha uma boca fechada e despro-vida de sensualidade tal como um corpo gretado e sujo envolvido numa mortalha tosca. O corpo gretado e sujo envolvido numa mortalha tosca desenha uma boca fechada e desprovida de sensualidade na parede cinzenta da fábrica. Na parede cinzenta da fábrica a boca fechada e desprovida de sensualidade apresenta-se com os lábios pálidos e secos. Os lábios pálidos e secos sabem que a madrasta da insulina mostra as tetas cancerosas quando lhe apetece e que a queda no estupefaciente é o éden. A queda no estupefaciente é o éden. O Éden.

Miguelsalgado, "Escuro"

Género: