Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Semeando estrelas

William Joseph feat. David Foster - Once Upon Love

Deixei as horas discretas
 
bater suavemente na noite mensageira
 
saudando a perfumada luz que
 
enxuga teus prantos num verso
 
enfeitando a moldura das saudades
 
derradeiras onde por fim emerso
 
 
 
Depois do longo amanhecer
 
deixo cartografado os afagos
 
que ficaram esbatidos no dorso
 
dos meus anseios
 
Deixo a vida acontecer permanentemente
 
entre olhares empoleirados na infância
 
esquecida casualmente
 
 
 
É  tempo de partilha
 
de palavras dóceis
 
temperadas com gratidão
 
revigorando-nos assiduamente
 
quase que
 
compulsivamente
 
tocando a alma que nos
 
obedece absolutamente
 
 
 
Aqui te reservo
 
um verso póstumo
 
cerrado a sete chaves no silêncio
 
onde virtualmente
 
no apego da tua sombra, rastejo
 
e desesperadamente te consumo
 
 
 
Depois do anoitecer
 
visto-te de luz
 
semeando estrelas
 
alimentando o pulsar
 
de tantas distâncias
 
perdidamente mergulhando
 
famintas pela súplica eleita
 
no temperado sabor de um
 
beijo personificando cada
 
acto de amor em insolvência
 
 
 
Por cada sonho que restar
 
outro virá mais inspirado
 
até me apetecer, habitando-te
 
num abraço por mim assinado
 
em definitivo numa transfusão
 
de amor a dois confinado
 
 
 
FC
Género: 

Comentários

"Por cada sonho que restar,

outro virá mais inspirado"

__________________//_____________________

Persegue os sonhos não os deixes expirar,

agarra-os no teu Céu límpido, estrelado.

Por vezes a unica coisa que resta

num mundo podre que não presta,

é prender o sorriso na boca e sonhar..., sonhar

E se o sonho quiser partir por algo fascinado.

Sorri e sai! Vai com ele. Sai e vai ao outro lado.

Morde o mundo, num tempo que não pode recuar,

Poeta do sonho,  se coração parar, tona-te estrela

e canta para os deuses, anjos e arcanjos,

ao som da músca de cordas  "liras e banjos".

O poeta não morre, o sonho corre, é caravela

a navegar no céu resplandecente de claridade,

retorna mais inspirado, ao renascer na dimensão da Eternidade.

 

Um abraço F.C

João Murty

 

Poema muito bonito! :)