Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

SEU VICIO, MEU DESESPERO

OLHO O RELÓGIO.

JÁ VAI SOAR MEIO DIA.

PENSO.

SERÁ QUE ELA VAI VIR HOJE?

A MOÇA DE LONGOS, CABELOS NEGROS.

ONTEM SEUS OLHOS, TINHAM EXPRESSÃO

DE DESESPERO E DOR.

 VÍCIO MALDITO!  

EMBALA  SONHOS, DE JOVENS ADOLECENTES!

NUM PESADELO CONSTANTE.

TEMPOS ATRÁZ EU A VI!

BRINCAVA COM SUA BONECA.

AQUI MESMO NESTAS RUAS!

SUA MÃE, A CHAMAVA DE MEU BEM.

COMO GOSTARIA EU, DE PODER AJUDÁ-LA!

DE OUTRA FORMA.

NÃO ESTA!

PORÉM, SOU O ÚNICO ELO QUE EXISTE,

ENTRE O MUNDO REAL.

NÃO SEI QUAL SEU NOME.

NÃO ME IMPORTA.

SINTO-ME ALGUÉM NO MUNDO...

DE QUEM NÃO AMA NINGUÉM!

O SIMPLES FATO DE ME PROCURAR,

A DEIXA CONSTRANGIDA.

QUE DESPERDÍCIO DE CRIATURA!

PRESA NESTE MUNDO SEM GRADES.

SEM AMOR, SEM FÉ, SEM SONHOS!

ESTÁ DEMORANDO PORÉM.

SINTO AFLIÇÃO.

SERÁ QUE NÃO VEM?

ME DESESPERO.

OUÇO BATER NO PORTÃO.

É ELA, GRAÇAS !

VOLTOU, AINDA VIVE!

CONSEGUIU MAIS UM DIA!

TROUXE O MESMO PRATO.

QUE LHE SERVI ONTEM.

COLOCO O ALIMENTO, E LHE ENTREGO.

COM UMA DOR TÃO GRANDE!

A VEJO PARTIR COMENDO.

E DENTRO DE MIM REZO.

PRA QUE AMANHÃ, AINDA VOLTE AQUI .

 

Género: