Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Zeu Sintetic

Deixa-me ser o teu Deus sintético 
A doença e a agonia divina 
A intervenção desumana 
Misturada na corrupção humana 
Deixa-me ser o teu criador 
O teu redentor, o químico sagrado 
Respira a poluição, abraça a ilusão 
Sê o espantalho nos meus dedos 
Do nascimento à morte 
Deixa-me ser o destruidor 
Aquele que consome os teus pecados 
Aquele que cria a tua prisão 
Aquele que te enche de terror 
Além das portas da percepção 
Sou aquele que te liberta 
O teu novo Deus, sintetizado e rotulado 
A criação divina 
Desumanizada e bestializada 
Meus filhos, a geração sintética 
Fantasmas cibernéticos 
O novo mundo de escravidão, a desilusão 
A luta constante, as vozes que não se ouvem
Sabes agora
Sou tudo o que te prometeram
O teu Deus sintético
Sou tudo o que esperavas que fosse
Sou o milagre, corrupto e amaldiçoado
O lobo entre as ovelhas
Caminho entre ti, dentro de ti
E enterro-te no meu mundo 
Cada vez mais fundo na tua esperança perdida.
 
Género: