Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Não Acordar

Como eu queria, às vezes, não despertar,

Ficar a viver aquele sonho eternamente.

Partir numa noite e por lá ficar,

Naquele sonho de um mundo tão diferente.

 

Onde os mortos vivessem, onde não houvessem limitações,

Onde quem interessa sempre estivesse à porta.

Onde os corações se unissem, mesmo sem grandes razões.

Fossem de paixão, amor, união…pouco mais importa.

 

O sonho não comanda a vida, afasta a realidade,

Faz com que o impossível seja, por uma noite, possível.

Um indomável portal para uma melhor cidade,

Onde o homem prova a doçura, que ao sol se torna invisível.

 

(06/03/2015 – 00:05)

Género: 
Você votou 'Não gosto'.

Comentários

Um poema bem sentido.

Um abraço

João Murty

António Cardoso's picture

Muito obrigado, amigo João Murty.

Espero que tenha estado tudo nos conformes consigo.

Um abraço.