Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Um conto surreal!

Género: 
Fotógrafo: 
Modelos: 

 

Era uma manhã soalheira, numa semana qualquer, lá por julho, estava eu de férias, enfim marcamos um encontro... o mais furtivo, secretos segredos seriam revelado depois de meses

Trocando mensagens, trocavamos muito além disso imagens, a mais insanas, sim, as mais sacanas libidinagens, loucuras nossas... franca intensidade, revelamos nossos segerdos, cada um, ela era casada e eu tinha alguns rolos, algumas amizades mais íntimas, mas nada demais

Nada que pudesse me prender... bom papo, boas conversas, conversas adultas. Atiçava-nos a cada nova mensagem... estavamos a flor da pele, a espera do dia certo.

Marcamos para bem cedo, lá pelas dez da manhã. Hora confimada, encontro também, e assim aconteceu. Nos encontramos, longe do centro da cidade, num lugar de pouca circulação, as escondidas. Foi instantaneo, no exato momento, só queria uma coisa, desejei beijar seus lábios

Despir suas linhas, desnudar cada curva. Era realmente, o que as fotos diziam. Longos cabelos, negros, rosto perfeito, lábios carnudos, seios intensos. Sedutor olhar, e no dedo anular da mão esquerda, uma aliança dourada, mas quem sou eu para julgar, gosto desta ousadia, nada nos impediu de nos encontrarmos. Uma aventura arriscada, provocou fantasias inimagináveis.

Ali mesmo, nos beijamos numa loucura insana, ela suspirava e se arrepiava toda, num delírio passional. Decidimos sair dali, ir para um motel... eram aproximadamente dez da manhã ficamos até as dezesseis horas, quando assutada me revelou: que era hora de ir para casa, pois seu marido chegaria as dezessete.

Fizemos sexo por horas, eu e ela gozamos tantas vezes que perdemos as contas, foi o mais dos intensos e furtivos delírios. Nunca vou esquecer, aquele nome, que aqui direi ser Luciana.

Nunca vi, nem mesmo vivi um experiência igual. Nos encontramos por quase um mês, sempre durante a semana, e vivemos essa aventura, repleta de intensos prazeres carnais.

Delirios secretos, segredos simplesmente nossos, únicos e sempre serão eternos.

Aconteceu lá por 2006, era julho, em Jaraguá do Sul-SC.

(DiCello)