Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Amizade

Campanha gostei de ti

 
Eu nasci em Paranhos
Disso, eu nunca esquecerei.
Naquela humilde casa, que
Quando era jovem deixei.
 
Vim viver para Campanha
Terra amiga, terra amada
Nunca dela, eu sairei
Foi por Deus abençoada.
 
Ó, Campanha! Ó, Campanha!
Gosto de ti, tu podes crer
Ó, Campanha! Ó, Campanha!
Vou amar-te até morrer.
 
Gosto de ouvir os comboios
A toda a hora passar

Para ti ó Maia querida

Vi uma estrela a brilhar
lá no alto da cidade
                          E a Maia a cantar
com a vós da mocidade
Sigo então meu pensamento com minha vós                 magoada  mas sai um triste lamento para ti  Maia amada 
Vou cantar uma cantiga vou cantar ao li dador
  vou dizer a toda a gente que ele é o teu senhor

Tudo ok

Vais no cmainho com eles, sei que nao me ouves...

No momento que durmo, no momento que acordo estarei a teu lado, nao me pares.

Foge enquanto podes. Porque queres que mude? Porque nao mudas tu?

Agarras tanto essa amizade, para quem nunca ligou e de repente liga. Sempre esteve á tua espera.

Eu estive á tua espera e nunca vis-te. O que vis-te foi estar ao lado deles a fumar a beber.

É este o momento que tanto gostas. Espero que um dia acorde e possa ser eu a estar na plateia. No dia que estiveres a cair, eles vai ser os primeiros a fugir.

Pages