Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Eis o Homem

 

Eis o Homem

 

Sendo o que se é,

Encontra-se na vida a própria vida,

Trocando uma ilusão pela outra,

Eis o homem tentando,

Buscar algum sentindo.

 

Devorado pela fome de informação,

Esquece-se de ser o que deveria ser.

Não vive a vida,

A vida que vive sua vida.

 

Angustia. Decepção. Frustração.

Eis o homem,

Não reconhece mais sua imagem,

Suas profundas necessidades.

Vive, por que está sendo obrigado a viver.

 

Eis o homem,

Traumatizado.

Suicídio programado.

Buraco sem fundo.

Vida de defunto.

 

Eis o homem,

Não sabe mais qual o sentido de uma flor.

Género: 

Comentários

O que faz o homem moderno ser o que é, é o total desconhecimento dele próprio como ser pensante e sonhador. 

Beijo

Débora obrigado pelo comentário! Como ser humano é maravilhoso, um ser pensante, que por vezes, não é o pensador de seus pensamentos. Até!

Eis o homem, o homem de hoje é assim, oferece sem dar e vive sem apreciar...

Parabéns

Emanuel obrigado pelo comentário e pela reflexão. Eis o homem, indiscutivelmente doente em si. Mas sem essa doença, como vamos compreender como não ficarmos mais doentes? Até!

Muito bom!

Gosto muito dos poemas inspirados na modernidade, no hoje, no agora... essa coisa de alimentar o que pertence à outrora parece tirar a capacidade de transformação e reflexão da poesia.

 

uma beleza o que temos aqui!

já o homem de hoje,

muito a transformar...

 

abraços

Muito bom!

Gosto muito dos poemas inspirados na modernidade, no hoje, no agora... essa coisa de alimentar o que pertence à outrora parece tirar a capacidade de transformação e reflexão da poesia.

 

uma beleza o que temos aqui!

já o homem de hoje,

muito a transformar...

 

abraços

 

Olá Clarice, obrigado pelas palavras e pelo comentário. Adoro poesia, pois elas nos dão a liberdade de criar, tentar escrever certo através de linhas tortas, ilustrando o interjogo da existência humana, aprendendo e ensinado ao mesmo tempo como cada coisa pode funcionar. Sabemos que a verdade ultima nunca saberemos o que será.

Meus cumprimentos!

Poema que retrata o ente atual, despido da sua essência... Muita reflexão sobre a angústia de ser.

É isso mesmo Lourdes. Mesmo em dor, na angustia, também não justificaria a desistencia de continuar a viver, buscando algum sentindo para a vida. Obrigado pelas palavras e um ótimo final de semana!

O sentido de uma flor é o amor!

Eis o homem, eis a mulher!

Quando se amam sabe o que quer!

 

 

Concordo Madalena. Por isso o amor custa tão caro, pois ele é raro!!  Encontrar um casal feliz, com sentimentos verdadeiros, genuinos é uma raridade. 

O amor custa caro! Para aquele que ama de verdade!

Quem está as vezes ao seu lado, não está nem aí pelo seu sentimento!

Porque não conhece, não conheceu, o que você recebeu!

Que é o amor verdadeiro... Mas um dia! Um belo dia! Você encontra alguém, na mesma situação, aí vai entender o seu coração!

Então, vai unir o caro, com o raro e vai virar realidade invés de raridade... É só felicidade!