Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Em nome do Rei

Em nome do Rei

 

Enquanto feliz, certo rei era totalmente súdito da sua amada rainha, e a adorava mais que tudo, sua vida era de total dedicação. Seu pequeno e humilde castelo era todo decorado por ela, cada cadeira, cada mesa, cada aposento. Era um reinado num país encantado, um país de sonhos adornados de prazer, lealdade e cumplicidade. Certo dia apareceu um intruso Rei na naquela vila, sorrateiramente e na surdina, cortejou a rainha sem que o rei soubesse. Ela então secretamente cedeu aos encantos do Rei intruso. Encontros prolongados as escondidas resultaram no envio de um bilhete informando que a rainha abandonaria o rei antigo para ficar com o Rei intruso. Humilhado, ferido e vergonhoso perante os habitantes da vila, o rei resolveu acabar com a vila e com aquele reinado fracassado, enquanto a rainha se exibia ao público aos beijos e abraços com o seu novo Rei e amante. Então assim foi feito. O antigo rei destituiu-se de seu trono, abandonou o pequeno castelo e a sua vila aventurando-se em terras alheias. Tempos depois reencontrou sua antiga e amada rainha, que havia abandonado o rei intruso, e dizendo-se arrependida, queria novamente fundar um novo reino. O antigo rei até tentou construir uma nova vila feliz, mas, o antigo reinado já não existia mais em seu coração traído. A pele e as partes íntimas da rainha já tinham o cheiro ruim do rei intruso. Então, escondendo suas lágrimas e angústia, o antigo rei tomou o primeiro navio que partia do porto rumo ao alto mar, e sozinho desapareceu para sempre. O povo da vila indignado com o destino do seu antigo rei, rejeitou a rainha que ficou para trás, não sendo mais ela ali bem vinda, em nome do rei.

 

Charles Silva

Género: 
Você votou 'Não gosto'.

Comentários

Essa alegoria mostra que o desamor e a infidelidade leva à dor e à destruição.
Quem não nos ama, não nos merece...

Grato