Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

INSÔNIA

Não dormi

Apenas fechei os olhos,

Senti o teu corpo inteiro,

Com cheiro de madeira

Com gosto de hortelã;

 

Toquei-te...

Em minha imaginação,

Meu pensamento fez o caminho

Da tua anatomia

 

Ah! Que adrenalina!

Bebi da seiva de sua boca

No ósculo que te dei.

Banhei-me nas águas cristalinas,

Do teu transpirar,

Em suas mãos quase desfaleci

No arrebatamento da suavidade do seu toque.

 

Abracei-te...

E seu cheiro de homem

Chegou até minhas entranhas.

E quando pensei que fosse dormir,

Para muito mais te sentir,

Já era dia.

O relógio tocou e...

Levantei.

                                                                          silute 30/11/2012

 

Género: 

Comentários

menina insonia é amargo demais, quem  sabe não encontras a paz do seu sono num travesseiro feito especialmente para o amor bjs