Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Nota de um perdão

Nota de um perdão 
 

      Primeiramente peço que me perdoem pelos erros gramaticais, as palavras viradas e as pernas bambas e inocentes nas letras. Penso mais rápido do que falo ou penso. E isso é não pensar. Pois peço-lhes perdão se as letras estiverem borradas. Elas suam como desgraçadas e os malditos pingos não esperam. Não chegam a ter febre, pois quem a tem é quem pensou demasiado. E logo eu! Costumo não pensar. Por isso peço-lhes que me perdoem. O ar traz, a folha se enche. Não entra pelas orelhas. Têmporas tímidas. Não entra se quer pelos meus olhos fechados. Se eu falar da dor do mundo, saiba que não penso sobre a dor do mundo. Eu penso a própria dor do mundo. Sou a dor do mundo. Portanto, se sou, não penso o que sou, somente o que fui e serei. Talvez no passado ou no futuro eu como um destino repousado na ideia dos olhos fechados de alguém que também perdoa. E a idéia passará. O suor secará da testa e as olheiras, ora febris, desapareceriam. Perdoem-me, pois na folha ainda estarão a borrar. Mas as letras não pensam. Estão muito além de sua superfície; há tempos sem tempo, correndo por aí como anarquistas. E por isso continuarei: pensando mais rápido do que falo ou penso. Que assim seja...

Género: