Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

O Sino rachado

Como é amargo e bom, no inverno, junto ao lar,
Sentindo consumir a madeira que fuma,
Saudosas ilusões de outrora recordar,
Ouvindo os carrilhões bimbalhando na bruma.

Como o sino é feliz! Vèlhinho vigoroso,
Tem notas de crustak na conservada guela,
Fazendo retinir seu timbre religioso,
Como n'uma guarita a voz da sentinela!

Quanta a mim, a minh'alma está rachada, e quando
Procura uma canção desferir, povoando
O ar frio da noite, a sua voz exangue

Sôa como o es teuir d'um soldado ferido,
Sob um grande montão de mortos, esquecido,
Manietado, a expirar n'um tremendal de sangue!

LIVRO: As Flores do Mal
FONTE: http://pt.wikisource.org/wiki/As_Flores_do_Mal
TRADUÇÃO: Delfim Guimarães

Género: 
Você votou 'Gosto'.

Comentários

Queria saber o que aconteceria se Baudelaire fosse amigo de Poe...